sexta-feira, 12 de maio de 2017

Reservoir Dogs

(realização: Quentin Tarantino)

Mr. Pink não gosta do nome. Quer escolher outra cor, pela razão óbvia. Mas se quer participar no assalto, terá de aceitar as regras e quem dita as regras estabeleceu que o nome dele é Mr. Pink. Fim da discussão.
 
Seis criminosos são contratados para realizar um assalto. Não se conhecem e para garantir que permaneçam focados na missão e que não se irão denunciar, não sabem, sequer, os nomes uns dos outros - cada um recebe como nome uma cor.

Não sabemos como mas o assalto acabou num banho de sangue. Dois estão mortos, vários polícias e civis foram assassinados e Mr. Orange está gravemente ferido.
Mr. White leva-o para o armazém, ponto de reencontro combinado depois do assalto.

O que é que correu mal? A polícia só podia saber, de antemão, do plano. Eles estavam à espera deles. Há um polícia ou um informador infiltrado?

A narrativa é não linear, construída através de vários flashbacks que nos permitem conhecer as identidades de cada um dos membros do grupo. Até que temos todas as peças do puzzle.

Estes homens resolvem os seus conflitos com armas e violência e a tensão entre eles cresce cena a cena até à ruptura final.


Culpa e sentimento de protecção. Mr. White irá, até ao clímax final do filme acreditar que Mr. Orange não foi quem os denunciou, apesar de todas as pistas contra ele. Um elo entre eles foi criado quando Mr. Orange foi ferido por causa de um erro de Mr. White. E é esta ligação entre estes dois homens, que mal se conhecem, que irá definir o rumo último de todas as personagens.

Pulp Fiction virá a seguir mas este filme define tudo o que se associa ao estilo de Tarantino.
Antes de divagar sobre os nomes diferentes dados aos hambúrgueres do McDonald´s nos EUA e na Europa, é preciso assistir a uma das cenas de abertura mais hilariantes do cinema - homens grandes sentados à volta de uma mesa a discutir o significado oculto da letra da canção de Madonna "Like a Virgin" e quais as virtudes de dar gorjeta.

Bom filme!






7 comentários:

  1. Gostei de visitar o teu blogue. É muito real, e ao mesmo tempo nota-se todo o cuidado que tens com cada post

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Marta. :) Ainda estou a começar. Não pretendo que seja uma crítica de cinema. Apenas quero partilhar o meu amor pelos filmes que me marcaram.

      Eliminar
  2. Tu e o Tarantino... mas olha não vi este. Temos de fazer uma sessão de cinema em casa, parece-me. O mal disto é que agora a cada post fico com vontade de ver os filmes... estou tramada! :))

    ResponderEliminar
  3. Quando quiseres! Vê o lado positivo, se aparecem há uma grande probabilidade de eu ter cópia. E eu não cobro bilhete. Só tem uma desvantagem, não te vou ler qual é a sala, a fila e o lugar ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahah... pois é e não posso dizer a tua frase "como se eu não soubesse ler o que está no bilhete..."

      Eliminar
  4. Já não saio daqui! Tarantino, aos meus olhos o melhor, e Reservoir Dogs o melhor de Tarantino.

    E se eu gosto de quem gosta de Tarantino :)

    grande post

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) E este é o seu primeiro filme!
      Mas, Miguel, não fiques muito chateado comigo quando o post for sobre um filme da categoria "Chick Flick"

      Eliminar