sábado, 26 de agosto de 2017

Clash

(realizador: Mohamed Diab)

 
Um microcosmo da sociedade egípcia durante os tumultos que assolaram o país, em 2013, depois do golpe de Estado que derrubou Mohamed Morsi e colocou em lados opostos os que apoiavam a Irmandade Muçulmana e os Militares. O fim do sonho da Primavera Árabe no país.

Uma carrinha de polícia serve para juntar 10 pessoas presas durante as manifestações: dois jornalistas, apoiantes e opositores dos militares e simples observadores sem lado escolhido. Sem os dividir entre “bons” e “maus”, revelando as diferenças entre eles, mostra também os pontos em comum para relembrar que do outro lado há quem tenha filhos, pais e homens ou mulheres que amam e que todos acreditam que o seu caminho é o mais certo.

O argumento e a mise-en-scène são geniais porque têm a capacidade de transformar cada um dos personagens em pessoas e não caricaturas ou figurantes.

Quando o cinema é uma arma (e um espelho do mundo).

Bom filme!

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Boa tarde, Laura
      Pelo trabalho das personagens e pela temática acho mesmo que vale a pena. Boa sessão. ;)

      Eliminar