domingo, 4 de março de 2018

Alma

Por detrás de cada rosto, uma história. Quanto da tua estás disposto a partilhar?

Há aqueles que o fazem, automaticamente, sem muros ou barreiras, sem rodeios, como dizendo, eis quem sou, isto é o melhor e o pior de mim, aceita-me ou deixa-me. Com uma frontalidade desconcertante, desarmante.

Depois os outros, os que medem cada palavra, que as sussurram e insinuam, à espera da reação do interlocutor. Quanto de mim suporta sabendo o tamanho do caos que se esconde atrás do sorriso.

Duas formas de vida, diametralmente opostas, mas ambas mecanismos de defesa…

Ninguém está totalmente resolvido.

12 comentários:

  1. "...aceita-me ou deixa-me. Com uma frontalidade desconcertante, desarmante."

    E "mai nada"!!!

    Bom dia Anouk:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, Legionário
      Gosto de pessoas assim apesar de não ser (porque não sou) assim. :)))-
      (e é mesmo um bom dia, estou de férias!!!)

      Eliminar
    2. Então aproveita bem esses dias de "vacances" Anouk, eu também queria ter assim uns dias (mas para já não dá), pois ultimamente ando com a minha cabeça em "água".

      Eliminar
    3. É só um dia mas está a saber tão bem que vale por uma semana. :)))
      Melhores dias virão, há que acreditar!

      Eliminar
  2. a vida ensinou-me a ser assim.
    quem gosta, fica, quem não gosta, pode ir :)
    boa semana, Anouk

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim, logo de início, cartas na mesa, eis quem sou?
      É destemido!
      Boa semana, Laura
      (Perdi em duas frentes, no filme e na melhor canção original, restou o prémio de consolação, oscar para o melhor argumento adaptado ;) )

      Eliminar
  3. Nunca ninguém está resolvido, no dia que alguém estiver resolvido não tem mais nada para viver, nem para aprender, nem para errar... isso das pessoas bem resolvidas sempre me soou a uma grande tanga. Há, sim, assuntos que ficam resolvidos, coisas estanques, agora pessoas? não me parece.
    Quanto ao revelarmo-nos, eu também me vou destapando aos poucos. Ainda que o que deixe ver seja sempre eu, mas acho que não sou de insinuações, quando mostro, mostro e depois quem quer fica, quem não quer não fica. Há também os indecisos, que vão e voltam sempre... há de tudo. Eu sou só uma mas sempre por resolver, por descobrir-me, até.

    ResponderEliminar
  4. Também acho isso, que não há pessoas bem resolvidas. Mesmo assuntos que achamos fechados, por vezes, têm o condão de nos assombrar outra vez. Foi algo que me disseram, que parecia bem resolvida. E eu disse, meu deus, não fazes ideia do turbilhão que por aqui vai :)))

    ResponderEliminar
  5. Sou dos que o fazem automaticamente, sem filtros e depois perco todas as defesas e sofro à bruta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, Paper Cut
      Eu sei que és, soube-o logo. Talvez o que falha é perceber quais são aqueles que depois, estão de braços abertos para te aceitar. Um beijo. "All things shall pass", vamos ter esperança...

      Eliminar
  6. Anouk, nem sim nem não. Explico.

    Gosto de reserva e tenho vindo a conservá-la cada vez mais. Isto significa que existem poucas pessoas que sabem da minha vida, atendendo a que sabê-lo tem pouco a ver com conhecer certas rotinas.
    Contudo, com as minhas pessoas dou-me nessa medida de transparência de que falas e não me aborrece nada que haja posições divergentes, que se siga caminhos diferentes e passem a ter outro 'estatuto'.

    Com todos, uns com mais outros com menos, tenho filtros em relação a temas de que falo e com a linguagem que utilizo.

    Não discuto opiniões com quem adopta atitudes de sobranceria, de manipulação e/ou de arrogância. É uma perda de tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite, Isabel
      Sou muito assim, como te descreves.
      Mas tenho muito "carinho" por aqueles que escolhem ser muito abertos, à partida. Há uma ausência de medo que me desarma, em parte porque não sou assim, em parte porque imediatamente gera um sentimento de protecção. ;)

      Eliminar